Daniela Araújo: um tema propício para nossa reflexão

Daniela-Araújo

Por Carlos Roberto

Esse é o assunto do momento! Não quero aqui, me delongar na história. Mas a famosa cantora gospel, que teve um recente áudio vazado, expondo sua dependência nas drogas, remete-nos a pensar, como tratamos as pessoas que passam por problemas e conflitos.

Ora, para ser bem sincero, eu não conheço muito bem a tal e suas músicas. Ela, tem contrato com uma das maiores gravadores do país, mas essa, não é questão a ser considerada aqui.

Independente, do comprometimento da cantora, com os princípios bíblicos, precisamos entender que ela precisa de uma restauração em sua vida. Tenho visto, nas redes sociais, muitos ataques a mesma, a condenando, a julgando e dizendo absurdos.

Infelizmente, tem muita gente má, no contexto evangélico atual, que pensa, que é isenta de errar um dia, de cair, apostatar da fé ou passar por semelhante situação. Fiz questão de ver, em muitos sites de notícia, muitos “crentes”, desejando coisas ruins para a Daniela Araújo.

Pergunto: que cristianismo é esse? Será que realmente amamos o próximo? Ser igreja, é amar, é perdoar, curar a ferida. Claro, a disciplina e a correção, são de suma importância para o processo de restauração, mas tem gente em nosso meio, que pensa que é juiz e dono da verdade.

Não sou nenhum hipócrita, ou conformado com o que ocorre no mundo gospel. Sei muito bem, que existem alguns astros da música cristã que são verdadeiros aproveitadores e comprometidos somente com o cachê ou com o mercado.

O que realmente eu quero frisar, é que se alguém, como no caso da Daniela, ou qualquer outra pessoa, conhecida ou não no contexto evangélico e cristão, quiser mudar e ter um comprometimento com Cristo, isso é possível através da graça de Deus e do evangelho, e nosso papel, é aconselhar, orar e apontar o erro com amor.

Enfim, o que houve com ela, pode acontecer comigo e com você. Afinal de contas, quem somos nós? Somos eternos dependentes da misericórdia de Deus e ponto final. Pense nisso!

 

Anúncios

O perigo nos debates entre calvinistas e arminianos

Untitled design

Por Carlos Roberto

Caros leitores, a mecânica da salvação, é um tema debatido há séculos dentro do contexto protestante e cristão. Em um post anterior, falamos aqui no blog sobre a unidade cristã na perspectiva teológica de Jacó Armínio.

Agora, pretendo deixar um alerta sobre os riscos desse debate, quando a ignorância, a falta de respeito, a militância e o ego exaltado são normas que precisam serem seguidas à risca para uma melhor identificação, segundo os adeptos desses conceitos errôneos e desprovidos de uma coerência bíblica e sadia.

Calvinistas e arminianos, podem ser bons amigos, mesmo discordando e debatendo teologia, mas essa simples explicação, não é seguida à risca por muitos deles. No meu feed de notícias, presencio muitas vezes, arminianos xingando, desrespeitando e até ameaçando calvinistas em longos debates. Claro, existem calvinistas que são intolerantes também. Aliás, esse texto serve para ambos.

O ponto onde exatamente eu quero chegar, é justamente o da maturidade cristã. No meu modo de pensar, a imaturidade está muito presente na vida desses irmãos. Ora, todos sabem que sou um arminiano clássico, mas isso, não me dá o direito ou a prerrogativa de ser inimigo dos calvinistas e reformados.

Até mesmo entre defensores de um mesmo posicionamento teológico, existem os intolerantes, imaturos e zombadores. Se um arminiano, se posiciona ou se identifica como de 4 pontos, é taxado por seus companheiros de liberal ou herético, e tem também os calvinistas que adoram dizer que Armínio foi pelagiano ou semi-pelagiano, se um outro calvinista mais moderado, que leu as obras de Armínio e conhece bem os conceitos básicos da teologia arminiana discorda, é taxado de bobo, ou em cima do muro.

O grande perigo, nos debates teológicos, e principalmente entre calvinistas e arminianos, é falta de amor ao próximo. Discordar, faz parte da teologia e isso está longe de terminar, mas é preciso equilíbrio, koinonia, paciência, amor e maturidade.

Por causa dessas coisas, criei tempos atrás a página Armínio Hoje no facebook, para tentar compartilhar aquilo que sei para outras pessoas e provar, que esse sentimento popular do arminianismo contemporâneo e anti-calvinista, é perigoso e doentio. A teologia arminiana, não é somente defesa e ataque, muito pelo contrário, sua gênese e prioridade é o amor de Deus revelado na pessoa de Cristo e a atuação da graça de Deus, que restaura o arbítrio humano danificado pela queda.

Uma outra página, parceira e que segue a teologia de Armínio com responsabilidade e moderação, é a página Arminianismo Sem Zueira.

Enfim, todo cristão, que estuda teologia, precisa praticar a mesma, e não pensar que é melhor do que os outros somente por causa de sua forma de interpretar a bíblia ou assuntos pertinentes ou relacionados a ela. No passado, muita gente sofreu com isso, e hoje não é diferente, mas eu e você, somos exortados a mudar isso, através de atitudes honestas, maduras e respeitosas com nossos irmãos de fé, mesmo eles sendo de outras confissões ou posicionamentos teológicos.

Deus abençoe a todos! Em um momento oportuno, retorno novamente com esse assunto no blog. Compartilhe esse post com seu amigo calvinista ou arminiano.